THANGKA

PINTURA TIBETANA

Aqui está um guia para a pintura Thangka, um dos mais belos legados artísticos do Budismo Tibetano, que felizmente hoje em dia é mais acessível para o ocidental. Explicamos o que significam, como são feitos, que temas abordam e mais curiosidades sobre esta fascinante arte.

O QUE É O THANGKA TIBETANO?

Thangka ou tanka tibetana é um tipo de pintura feita em tecido com pigmentos naturais, representando cenas e entidades budistas ou Mandalas, e é tradicionalmente emoldurada com brocado.

Podem ser vistos em templos, mosteiros e centros budistas, bem como em casas onde são pendurados pelos seus proprietários para fins meditativos, religiosos ou simplesmente decorativos. São normalmente de forma rectangular. O tema destas pinturas tibetanas compreende principalmente motivos e representações de entidades e arquétipos budistas.

SIGNIFICADO DE TANGKA

 

Esta palavra é composta por “THAN”, que significa superfície ou plano e “KHA”, que significa pintura de deuses. Também tem o significado daquilo que pode ser enrolado.

Como escrever:

Também se escreve Tangka, Thanka ou Tanka, em nepalês é usado o termo Paubha (estas pinturas são feitas no Nepal desde pelo menos o século XI).

A palavra escrita em caracteres latinosthangkha” seria de acordo com a pronúncia tibetana, enquanto que sem o segundo “h”, ou seja, “thangka” seria de acordo com a pronúncia chinesa.

Como o pronunciar:

A pronúncia é tanca, h e g não são pronunciados, e k e c são pronunciados da mesma forma. É preciso ter em conta que não temos os mesmos fonemas que o tibetano.

Esta é a bela ortografia tibetana desta palavra:

Thangka
Thangka_Eight_Armed

ORIGEM DA PINTURA THANGKA

 

Algumas datam as origens deste tipo de arte da época do próprio Buda quando lhe foi pedida permissão para se emprestar como modelo para um retrato encomendado pelo rei de Padna. Estamos a falar do século VI-5 a.C. Neste caso, a primeira pintura budista seria um retrato do próprio Buda.

Há relatos de que a sua origem remonta ao tempo do Rei Tibetano Songtsen Gampo, que foi o primeiro monarca a trazer o budismo ao Tibete, e é especificamente a sua princesa Bhrikuti Devi, que, na tradição budista tibetana, foi considerada a emanação de um arquétipo feminino chamado Tara, simbolizando a compaixão, a quem é creditada a introdução deste tipo de arte.

Também se acredita que esta arte foi inspirada pelas antigas tapeçarias hindus, uma vez que o budismo foi introduzido no Tibete a partir da Índia.

Um elemento chave para compreender os dados limitados sobre a origem da pintura tanka é a falta de documentação histórica, pois a escrita não foi introduzida no Tibete até ao século IV (o período mais antigo para o qual os documentos escritos de Tunhong são datados), se não mais tarde, já no século VII.

Em qualquer caso, os Thangkas sobreviventes mais antigos são na verdade pinturas de parede que sobreviveram em locais como as paredes de cavernas em Ajanta, na Índia, e noutros locais ao longo da Rota da Seda. Tem havido um grande esforço para recuperar estas obras e dar-lhes visibilidade através de iniciativas como a da editora Taschen e a sua colecção “Murais do Tibete”, uma edição limitada assinada por Sua Santidade o Dalai Lama.

As peças de tecido mais antigas que sobreviveram até aos dias de hoje podem muito bem datar entre os séculos VIII e IX DC.

A propagação desta arte na Índia, Nepal e Tibete é inseparável da propagação do próprio Budismo, razão pela qual por vezes é directamente chamada Thangka budista, e hoje tem uma tradição importante e, embora falemos frequentemente de thangkas tibetanos, eles são apresentados na Índia, Nepal e outros países asiáticos, bem como noutros continentes, com muito bons artistas ocidentais que aprenderam com mestres nesses países.

MATERIAIS UTILIZADOS

 

Estas pinturas são feitas principalmente em tecidos de seda ou algodão. Isto dá-lhes a possibilidade de serem enrolados e assim serem facilmente transportados.

Esta é uma vantagem não só para o transporte mas também para a ocultação, se necessário, lembrando que o budismo sofreu repressão em diferentes lugares e em diferentes momentos da história.

Quanto à tinta em si, são usados diferentes pigmentos diluídos em meios aquosos de diferentes densidades. Estes pigmentos são de origem natural, quer sejam minerais ou orgânicos. É comum usar ouro em algumas peças através de um processo de aplicação e subsequente polimento para lhe dar um brilho espectacular.

Pigmentos_color_thangka

TRATAMENTO E CONSERVAÇÃO DE PINTURAS

 

As peças são normalmente emolduradas com brocados feitos de seda ou outros materiais, que são usados para realçar a sua beleza. Por outras palavras, são montadas em tecido.

A sua conservação é conseguida tratando-o com diferentes técnicas e evitando ambientes húmidos e frios porque a seda pode ser danificada. O formato deste tipo de pintura é diferente do conceito que temos no Ocidente da tela sobre madeira e, por sua vez, emoldurada em materiais rígidos.

Podes ver neste vídeo explicativo como são pendurados e enrolados para armazenamento e transporte (Inglês com a possibilidade de legendas traduzidas).

Estrutura das obras

COMO OBSERVAR UMA TANKA TIBETANA

 

Como mencionado acima, as representações mais comuns são entidades pertencentes ao budismo tibetano.

A entidade ou divindade principal é colocada no centro da obra (aqui o termo “divindade” tem mais a ver com a ideia de arquétipo do que com a conotação do Deus ocidental), em torno da qual são normalmente representadas variações dele (como versões coléricas ou outros tipos de emanações do mesmo conceito de personagem), algumas cenas sobre a sua história e símbolos diferentes, bem como motivos vegetais ou puramente geométricos.

Existem dois temas particulares neste tipo de arte, tais como a pintura da mandala tibetana ou a representação da Roda da Vida ou da Roda do Samsara.

O simbolismo é muito rico nestas pinturas, cheias de ícones e referências a inúmeros conceitos da filosofia budista.

Contemplar uma pintura tanka torna-se uma viagem fascinante na qual se pára em cada símbolo e se move através de cada elemento diferente seguindo um percurso que se aconselha de fora para dentro sob a forma de uma espiral ou serpenteando através de cada detalhe até se ficar preso na magnificência da figura principal que, por sua vez, sendo geralmente antropomórfica, terá adornos diferentes e segurará diferentes objectos nos seus por vezes múltiplos braços, cada um com o seu próprio significado.

COMO ELES SÃO FEITOS

 

Podes ver um vídeo fascinante sobre como um thangka é construído; desde a preparação da tela, passando pelo desenho geométrico inicial da obra, até à conclusão da pintura.

TEMAS

 

Su contenido realiza funciones devotas y a la vez didácticas, al representar en sus escenas, motivos e iconografía de las enseñanzas budistas. Se representan imágenes de Buda, además de otras entidades o arquetipos, como Avalokiteshvara, quien representa la compasión, Tara, a quien hemos mencionado antes, o Manjusri, representando la sabiduría, entre otras muchas entidades.

 

Estas entidades mantêm formas pacíficas ou por vezes têm os seus alter egos cóleros, pois são seres protectores. Esta “raiva” não deve ser confundida com ódio, mas simboliza a energia compassiva e defensiva que elas produzem, como a de uma mãe que protege ferozmente o seu filho.

Guru Dragpur thangka

Pintura por Guru Dragpur, uma versão irada do Guru Rinpoche. Instituto de Arte de Chicago

Tara_thangka

Thangka representando Tara (emanação feminina do Buda da compaixão), Tibete do século XVIII. Museu de Arte Rubin, Colecção Wellcome

Estes trabalhos têm frequentemente uma função mais descritiva e devem ser visualizados ou lidos, como dizíamos, numa ordem específica, passando assim por diferentes cenas que narram conceitos dentro da filosofia budista.

Este é o caso da conhecida Roda do Samsara, cuja representação narra as etapas pelas quais o nosso “contínuo mental” passa através de diferentes reencarnações.

Esta arte é considerada um meio inspirador, não só pelo seu significado, mas também porque a mera visão dela (mesmo que o conteúdo não seja entendido intelectualmente) opera na “psique” induzindo serenidade e quietude.

Neste sentido, dentro da arte tanka encontramos os famosos Mandalas, figuras geométricas de grande beleza cuja combinação de formas e cores pode ser em si mesma um objecto de meditação.

Estes Mandalas não são apenas feitos de tecido, mas também é tradicional criá-los com areias coloridas no chão, o que requer um trabalho incrivelmente meticuloso. Estes trabalhos, uma vez terminados, são depois destruídos de uma forma ritualística, espalhando e recolhendo as diferentes areias coloridas. Isto pode parecer chocante e incompreensível para os não iniciados, mas na filosofia budista faz parte da prática, e a destruição do Mandala é um símbolo da impermanência do mundo material.

Podes ver um vídeo fascinante sobre este processo (com possibilidade de legendas).

GALERIA

 

Podes ver algumas entidades frequentemente representadas nos Tankas Budistas.

Estas belas pinturas, assim como a imagem da capa no topo desta página, foram criadas pela artista Kunga Dorje.

Thangka Tara Branca

Tara Branca

Também chamada “a Mãe de todos os Budas”, ela é a encarnação perfeita de poder subtil, sabedoria e pureza.

Thangka Yamantaka

Yamantaka

Também conhecido como Vajrabhairava, ele é uma das três principais divindades meditativas da escola tibetana Gelug.

Thangka Avalokiteshvara

Avalokiteshvara

Com quatro braços, representando bondade amorosa, alegria, equanimidade e compaixão.

OPÇÕES PARA COMPRAR UMA TANKA

 

Uma pintura de thangka original tradicionalmente executada pode levar semanas ou meses a completar, com um trabalho diário de cerca de 6-7 horas. Os preços a pagar por uma pintura original dependem de muitos factores, e estão de facto sujeitos, em certa medida, aos critérios do mercado de arte. Tendo em conta o trabalho que é preciso ter alguém com a formação e o talento necessários para criar tais pinturas religiosas, existem obras que podem chegar aos milhares de euros.

Por outro lado, há artistas que oferecem a versão impressa em tela ou outros materiais para aqueles que não podem pagar o preço de um trabalho original pintado à mão.

Há também trabalhos pintados à mão que podem custar cerca de cem euros e que podem ser concluídos em menos tempo com um resultado muito bom também.

Aqui estão algumas opções de diferentes artistas e lojas.

Muitos praticantes do budismo tibetano, que meditam sobre as divindades representadas no tanque, optam por uma versão impressa destas obras de arte, outros preferem pagar por um original pintado.

Diz-se que desta forma terás não só uma bela pintura, mas também uma peça “carregada” com a intenção e vontade do artista, não esqueçamos que para o autor a realização destas obras é também um exercício meditativo.

Abaixo estão três obras de Gandhanra Art

Tanka do Guru Rinpoche Padmasambhava

Tanka representando o Guru Rinpoche

VER O TRABALHO

Tanka Buda Amitabha

Tanka representando o Buda Amitabha

VER O TRABALHO

Tanka do Vajrakilaya

Tanka representando o Vajrakilaya

VER O TRABALHO

Podes ver estes trabalhos de Vajrayana print

Tangka Shakyamuni Buda

Tangka do Buda Shakyamuni

VER O TRABALHO

Samsara

Tanka representando a roda do Samsara

VER O TRABALHO

Tangka Buda de Medicina

Tanka representando o Buda da Medicina

VER O TRABALHO

Compra Thangka tibetano em Madrid:

 

Se estiveres em Espanha e fores a Madrid, no c/ Canillas 22, tens a comunidade Budista Tibetana Thubten Dhargye Ling, onde podes encontrar não só pinturas mas também muitos outros elementos desta tradição na sua loja. Se comprares lá irás colaborar com o centro para continuar a prática.

Dharma wheel
Ficaremos felizes se gostaste deste post e o achaste útil. Por favor ajuda-nos partilhando-o nas redes sociais! ♥

Facebook

Twitter

Tumblr

Pinterest

Aqui estão algumas das perguntas mais frequentes como resumo:

Como interpretar um Thangka?

Estas pinturas são compostas por uma simbologia muito variada, cheia de ícones e referências a conceitos e arquétipos da filosofia budista. Diz-se que, mesmo que não saibamos o seu significado, eles podem de alguma forma influenciar positivamente a nossa mente.

Como é que é um Thangka?

Pondo de lado as preocupações do momento, olhando para o centro do trabalho. Sem forçar a nossa atenção, mas deixando-nos levar pela pintura e pelas suas cenas. Deixa-te guiar por ela, deixa-te absorver por ela.

O que é a pintura Thangka?

Esta é uma pintura tibetana que, usando pigmentos naturais em tela, retrata cenas budistas e simbolismo. São normalmente enquadrados em brocados. Têm um valor religioso e meditativo, bem como estético.

Sobre o que são estas pinturas tibetanas?

Podem mostrar diferentes representações de Buda e de outras entidades, que embora algumas delas possam ter uma aparência “zangada”, simbolizam qualidades positivas. Por vezes, elas formam as grelhas geométricas chamadas mandalas. Outro tema comum é a “Roda do Samsara”, que narra o ciclo de existências.

ESCREVA-NOS

Consulta o que te apetecer.
Se estiveres interessado em saber mais sobre estes trabalhos, ou em encomendar um, podemos pôr-te em contacto com um artista que te possa aconselhar.
Estamos ansiosos por te ler.

(Excepto para responder à tua consulta, NÃO utilizaremos o teu endereço de e-mail para qualquer outro tipo de comunicação)

14 + 10 =

Pode também escrever-nos pela Whatsapp:

Nota: Este artigo contém links de afiliação que levam às lojas dos artistas em sites que não pertencem ao Google. Se fizeres uma compra lá, receberemos uma pequena comissão que nos ajudará a manter o site e a continuar a partilhar o seu trabalho. Isto não afecta o preço de venda a retalho do artista.