FIGURAS DE RESINA

Muitos de nós somos apaixonados por figuras de resina, estas pequenas esculturas que são obras de arte para mostrar em casa e nos inspiram.

Neste guia completo explicar-te-emos tudo sobre estas figuras, verás obras de arte fascinantes, e contar-te-emos sobre os tipos de materiais, como pintar, montar e até fazer as tuas próprias esculturas em resina.

Se vais começar a pintar estas partes e mesmo fazê-lo tu mesmo, lê abaixo sobre este assunto e pouparás muitas horas do teu tempo pesquisando toda a informação necessária e, com as dicas que te damos, evitarás também os erros comuns que são cometidos no início.

Vais ficar espantado com estas modernas estatuetas de resina, feitas à mão e pintadas à mão pelo artista.

Figuras en resina

SOBRE A ESCULTURA EM RESINA

 

A escultura é tão antiga como a própria humanidade, felizmente a arte tem estado connosco desde tempos imemoriais.

Desde que as estátuas em materiais como barro, pedra ou madeira, vimos como ao longo do tempo foram sendo incorporadas novas opções que, com as mesmas ou ainda maiores possibilidades artísticas, têm mais vantagens funcionais para a criação de figuras. Este é o caso da resina.

 

O que é resina:

 

É um material sintético com múltiplas aplicações, desde industriais a artísticas e decorativas (neste artigo não vamos referir a resina vegetal natural que vemos, por exemplo, nas árvores). É leve, forte e durável.

Existem diferentes tipos e composições, como por exemplo, resina de poliéster, que é muito comum, com uma cor transparente semelhante à resina epoxídica. Cada uma tem as suas próprias características, e será mais ou menos adequada dependendo do tipo de resina que queremos fazer. Mais adiante explicaremos muitas coisas sobre os diferentes tipos de resina, algumas com “propriedades” surpreendentes.

A resina é muito popular na criação de esculturas, jóias, figuras de colecção, estatuetas decorativas, etc. Proporciona um melhor acabamento do que outros materiais e por isso é particularmente valiosa para coleccionadores.

Usado em figuras, é mais duro que o PVC e por isso mais pesado.

A resina sintética requer mais cuidado e trabalho para fazer uma figura do que o PVC, por isso é menos fácil de trabalhar.

Permite um processo ao criar as peças que minimiza as imperfeições, por exemplo, a possibilidade de bolhas de ar. Isto é geralmente evitado em figuras de resina para fins artísticos.

Requer menos cuidado que o PVC ou o vinil, no entanto, apesar de ser mais resistente, devemos ter cuidado com choques e mudanças repentinas de temperatura nas nossas esculturas, pois não é um material indestrutível.

 

A sua aplicação moderna em figuras:

 

No caso das estátuas ao ar livre, elas devem ser protegidas de climas com muitas mudanças de temperatura, por exemplo, quando há geada à noite e durante o dia as temperaturas são muito mais altas.

Para a criação de esculturas de resina são normalmente usados moldes feitos de silicone, borracha ou outro material flexível, embora algumas pessoas também usem outros materiais, como metal ou gesso.

No entanto, estes materiais para um molde não são os mais práticos, pois o positivo, ou seja, a figura interior, tem de ser removida depois.

Para além dos moldes feitos de materiais macios, são usadas camadas de álcool polivinílico ou pó de talco para evitar que as figuras fiquem coladas quando são removidas.

As figuras de resina podem ser pintadas e/ou esmaltadas imitando outros materiais como bronze, mármore, cerâmica, pedra, etc. Pode ser pintada em várias demãos, embora idealmente deva ter uma primeira demão de primário no início para permitir que a próxima demão de tinta se fixe correctamente. A camada de primário da escultura a ser pintada é fundamental, verás porquê mais tarde.

Busto de parede Gus

Blue Gus

Estatueta de resina do aviador Gus pintada à mão em tons de azul.

Figura da parede

Transmovimiento

Escultura de parede ornamental feita à mão e pintada à mão.

Figura de faun

Faun da Floresta

Conecta-te com a magia da floresta na tua própria casa. Pintado à mão.

FIGURAS DE RESINA PARA PINTAR

 

Muitas vezes o que procuramos é pintar as nossas esculturas nós próprios.

É um processo muito gratificante, mas que não deve ser encarado de ânimo leve, requer algum planeamento, escolhendo a peça, os materiais, as cores.

Há um interesse crescente neste tipo de hobby e em decorar o nosso espaço com uma peça decorada ao nosso gosto.

Talvez sejas um fã de artesanato e pintura em obras “em branco”, quer para as usar mais tarde para decorar um lugar específico e por isso queres certas cores, quer para dar uma figura de resina a outra pessoa, decorando-a ao seu gosto.

Na secção seguinte irás encontrar um tutorial completo com todas as dicas necessárias para as pintares.

Máscaras de fauno en resina para pintar

COMO PINTAR UMA FIGURA DE RESINA

 

Se queres saber como pintar uma escultura de resina, vamos esclarecer as dúvidas que normalmente surgem no início e vamos ajudar-te a começar da forma correcta, vais evitar os erros mais frequentes quando começas e vais poupar tempo e “desagrado”.

Se vais pintar outras figuras que compraste em pedaços ou uma figura reparada, lê abaixo as explicações sobre como colar figuras de resina para que as possas preparar antes de as pintares.

Dicas iniciais antes de pintar:

 

Protege a superfície na qual colocarás a figura com um papel adequado e tenta estar num ambiente com ventilação suficiente (se usares aerossóis, tem especial cuidado com estas protecções).

Para segurar a figura: Usa elementos que podes reciclar de casa para segurá-la e movê-la sem lhe tocares. Latas vazias, caixas de cartão, rolhas de cortiça, etc., serão úteis.

Agora uma dica sobre como pintar a tua escultura que muitos ignoram e não tem nada a ver com pintura: luz.

Antes de começares, precisas de ter a tua escultura bem iluminada, a luz natural é perfeita, no entanto, em muitos lugares ela só virá de um ângulo.

É altamente recomendável complementar qualquer falta de luz que tenhas com lâmpadas, não só em lados diferentes mas também em alturas diferentes, e que sejam de luz branca que reflicta as tuas cores de uma forma mais neutra e objectiva.

Pintar figura primeiro casaco

A camada de primário:

 

É importante aplicar uma primeira camada de primário, que é muitas vezes um líquido branco que serve de “base” para as camadas seguintes de tinta.

O primário permite que as cores da tinta que será aplicada no topo sejam mais visíveis e também faz com que a tinta adira melhor à escultura.

Quanto à cor, a nossa sugestão é que no início tentes com o branco, que terá a menor influência nas cores que usarás mais tarde, as sombras com cor e os pretos condicionarão mais o resultado final. Tudo depende do efeito que procuras, claro.

Observa a quantidade que usas! Tem de ser uma camada porosa e irregular para que a tinta adira, se permanecer lisa significa que aplicaste demasiada quantidade. O ideal é usar um aerógrafo, mas se não tiveres um, há marcas que vendem latas de spray.

Recomendamos um par de opções que são: Tamiya ou Games Workshop primer spray. Vallejo também não é mau.

Tintas para as figuras

Materiais para pintar:

 

Pincéis:

Se vais usar pincéis de cerdas sintéticas, é aconselhável usar escovas de cerdas sintéticas, pois são mais baratas e mais macias que as escovas de cerdas naturais. São mais baratos e mais suaves que as cerdas naturais e permitem-te aplicar melhor a camada de cor. É importante que uses a espessura certa para a área da figura que queres pintar.

Para pequenos detalhes que consistem apenas num “toque” de cor, algumas pessoas usam um palito de dentes. No entanto, para pequenos detalhes (por exemplo, olhos, ou pequenos ornamentos) comprar uma escova número 1 ou 2 seria suficiente. Existem até pincéis para pintar miniaturas, com uma ponta muito, muito fina, mas não deves precisar deles a não ser que queiras pintar/sketch detalhes muito pequenos.

Uma marca altamente recomendada é Winsor e Newton. Escoda ou Van Gogh não são más e por vezes podem ser mais baratas, mas se tiveres dinheiro para isso, usa W & N.

Também podes usar pincéis de cabelo naturais, recomendamos escovas de zibelina. Podem ser mais caras, mas o resultado também é muito bom.

Uma vez que pintar figuras decorativas será viciante se estiveres apenas a começar, recomendamos que tomes conta dos teus pincéis lavando-os adequadamente após cada utilização, eles podem durar muito tempo. Os pincéis não devem ser lavados apenas após todo o processo de pintura, mas também entre cada mistura.

É aconselhável usar vários copos de água para evitar que, quando usares tintas diferentes, os resíduos de uma tinta sejam transferidos para o pincel quando usares a outra (por exemplo, depois de usares uma tinta metálica brilhante para uma fosca). A razão para usar copos e não uma lata opaca é porque, sendo transparente, poderás ver se a água está demasiado saturada.

 

Paleta:

Para as misturas de tinta podes usar uma superfície “caseira” feita com papel vegetal vendido nas lojas, colocada sobre um pano ou pano húmido, para evitar que a tinta seque “prematuramente” como por vezes acontece com uma paleta normal (começámos a pintar, recebemos um telefonema… e a “mistura mágica” que tanto nos esforçámos por endurecer). Além disso, desde que a superfície seja não porosa e fácil de esfregar, podes usar placas de plástico ou algo parecido como uma paleta.

 

Aerossol:

Claro que também podes pintar as figuras com spray, especialmente se as superfícies a cobrir forem grandes. Lembra-te de tomar cuidado com a ventilação e de te protegeres. Existem várias marcas que vendem a tinta para ser pulverizada na peça.

Podes também ver a opção de usar um aerógrafo, que será sempre mais preciso e adaptável às áreas da escultura a pintar.

Tipos e marcas de tinta para estatuetas de resina:

 

A tinta acrílica é ideal para usar neste material, adapta-se a diferentes superfícies de porosidade variável. A versão mate normalmente dá resultados muito bons.

Vamos escolher algumas das melhores marcas para pintar uma escultura de resina, de acordo com a nossa experiência, para que não tenhas de procurar muito, e poderás decidir entre elas.

Games Workshop proporciona um acabamento mais plástico, que pode ser adequado para realçar cores intensas. É muito usado para resultados metálicos.

Andrea tem certos tons já preparados, e não vais ter de misturar e combinar.

Citadel é bastante boa e tem tons muito originais.

Vallejo é um dos mais conhecidos e recomendados. Caracteriza-se por uma tonalidade mais mate do que a maioria.

Se não tens muito tempo para pesquisar e testar entre o universo das marcas por aí. Com estes quatro já podes encontrar a tua marca favorita de tinta; ou favoritos, pois verás que no final é habitual alterná-los de acordo com o propósito pretendido.

Escultura-pared-Green-Kerkus

Escultura Green Kerkus

Como aplicar a tinta na escultura:

 

É normal usar várias demãos, as primeiras nas áreas maiores e as sucessivas para tratar os detalhes. Fundamental: ao pintar sobre uma demão anterior, espera até que esteja completamente seca antes de aplicar a seguinte, seguindo os tempos indicados pelo fabricante e tendo em conta a humidade da atmosfera na zona.

Para além de teres em conta o tamanho das áreas a pintar, é importante planear a ordem das cores, dependendo do resultado final que queremos. Ou seja, primeiro um primário branco, cinzento, preto, etc., funcionará melhor, depois ordenaremos as camadas de tinta para a base, depois os detalhes, e teremos de ter em conta se as cores são claras ou escuras.

Por exemplo: quando queremos usar tintas metálicas, pode ficar melhor se aplicarmos primeiro uma camada de tinta cinzenta.

Para além das demãos alternadas podemos alternar diferentes marcas de tinta, já que algumas são mais mate e outras mais brilhantes.

Outro exemplo: não será o mesmo procurar um efeito pedregoso, do que pintar o que seria a pele da personagem, ou elementos que requerem um resultado mais brilhante (por exemplo, um cinto com a sua fivela).

Uma vez terminada a pintura e a secagem, podemos aplicar diferentes tipos de verniz ou laca para conseguirmos o acabamento desejado. O verniz pode ser um acabamento indispensável, por exemplo, nos olhos da nossa personagem.

Também podemos dar textura e relevo à nossa escultura, para a qual existem vários materiais como pasta de grés, que dão uma rugosidade especial à superfície.

Compra estatuetas de resina para dar de presente

 

Na Arteologic as peças são feitas à mão em resina profissional de alta qualidade. As esculturas são acabadas e preparadas sem bordas ou “áreas recortadas”. Também não há vestígios de lubrificantes usados no processo de moldagem.

Uma vez prontos, são também pintados à mão e decorados, cada figura é única.

As personagens que representam são baseadas na mitologia e arquétipos capazes de nos inspirar e transmitir elementos positivos.

Podem ser um presente maravilhoso para fins decorativos ou para quem gosta de fantasia, fábulas, criaturas na natureza e outros elementos de um mundo do qual estamos infelizmente a ficar cada vez mais desligados.

Cada escultura vem com um certificado de autenticidade emitido pelo próprio autor.

Dá uma vista de olhos às obras expostas na galeria, e escolhe a que te inspira.

Acabamentos da série de figuras da parede Marivuk

FIGURAS DE RESINA PARA DECORAR

 

As esculturas em resina são uma excelente alternativa às esculturas em pedra.

Além disso, se forem penduradas na parede, dependendo do tamanho, pendurar uma escultura de pedra de peso considerável pode não ser uma boa ideia se não for feita correctamente.

Existem acabamentos com efeito de pedra que mostram um resultado muito semelhante.

Também existem tonalidades que simulam metais, por exemplo, patinas semelhantes ao bronze, ou acabamentos que emulam ferrugem.

As peças de resina têm a vantagem de serem leves. No entanto, não são tão resistentes a temperaturas abaixo de zero e a mudanças súbitas como uma obra feita de pedra. Assim, embora tenham diferentes acabamentos de metal e imitação de pedra semelhantes ao ferro, mármore, granito, latão, etc., não serão tão adequados para o uso exterior como estes materiais.

No entanto, são uma excelente escolha para a decoração de interiores.

Podes dar um toque rústico a uma sala colocando uma figura pintada com um efeito de ferrugem. Combina as cores de uma forma mais moderna de acordo com as paredes, usando contrastes. E tens sempre a opção de adquirir a obra sem pintura e de a pintar na cor mais adequada para a decoração da tua casa. Lembra-te que a iluminação é fundamental, tanto ou mais do que no caso de uma pintura, aqui estamos a falar de obras que ocupam um volume e geram jogos de luz e sombras que podem dar maior poder à nossa escultura. No caso dos interiores, se tivermos painéis direccionais que são vendidos para tectos, isso vai dar-nos muitas possibilidades.

Há um fenómeno curioso a ter em conta quando se trata de escolher um lugar e é que “é a obra de arte que por vezes escolhe o seu lugar”, como falámos no nosso artigo sobre figuras de parede. Acontece que às vezes temos a ideia anterior de colocar a obra num lugar e, uma vez lá, ela “pede outro”, onde uma vez colocada, vemos que encaixa perfeitamente.

Em qualquer caso, a variedade de tamanhos, estilos, motivos, cores, acabamentos, etc. que conseguires encontrar irá assegurar-te de que encontras o elemento perfeito que te inspira decorativamente.

COMO COLAR FIGURAS EM RESINA

 

Por vezes as figuras são compradas em peças para serem montadas, o que reduz os custos de produção das figuras, especialmente quando são fabricadas de uma forma mais industrial.

Outras vezes, embora este material seja bastante resistente, pode acontecer que uma parte da nossa escultura se tenha partido e precise de ser reparada.

Para isso vamos precisar de um cortador ou uma faca de modelar, alicate, lixa com a abrasividade necessária para a nossa figura, ou lixa de modelar. Também massa verde para corrigir defeitos.

As peças a colar devem encaixar ou ligar-se perfeitamente umas às outras por razões estéticas, por isso por vezes ajuda a fazer algum tipo de marcas que depois podemos esconder, tanto nas superfícies a unir como nas arestas para identificar claramente os locais exactos a unir.

Podes usar uma cola adequada para a resina, que provavelmente conterá acetona, que derrete o material plástico de que as resinas são compostas e, quando solidificar, estas serão perfeitamente soldadas. Uma cola deste tipo, dependendo da marca, pode demorar cerca de 5 minutos a colar, por isso tens de segurar as peças manualmente ou com a ajuda de alguma invenção, tal como segurá-las com uma pinça.

No entanto, a melhor cola para resina é a epoxy. É uma cola de dois componentes que se torna muito dura quando misturada. Podes encontrá-la em várias marcas e tamanhos. Em lojas de bricolage ou em bazares. Uma das marcas mais famosas em Espanha é a Araldite. Esta cola tem a desvantagem da viscosidade e do tempo de secagem (demora de 5 ou 10 minutos a várias horas dependendo do produto), por isso é a melhor opção para colar peças grandes, ou quebras “sérias”.

Para detalhes ou para peças mais delicadas o cianoacrilato é a cola certa. Cola instantânea líquida. É muito fluida e cola em segundos. Mas é importante que as superfícies estejam muito limpas e livres de pó. E é melhor se as lixares um pouco com lixa fina antes de colares.

Uma dica importante no caso de peças grandes e relativamente pesadas é também prendê-las no interior com algum fio (podemos reciclar um clipe de papel se a espessura se revelar adequada e assim evitar comprar um rolo de fio).

Para ello usamos una broca del tamaño adecuado al grosor del alambre que vayamos a emplear y, usando un taladro de modelismo, perforamos ambas partes con la profundidad adecuada.

Depois calculamos o comprimento da inserção do arame, cortamo-lo, aplicamos a cola ou elemento de união, colocamos o arame numa peça, aplicamos a cola na outra e unimos as duas peças pressionando-as e mantendo-as juntas até estarem completamente secas.

ARTE COM RESINA

 

Até há algumas décadas atrás, a arte escultórica estava associada ao trabalho em materiais como o mármore, bronze, madeira, etc.

Hoje em dia, graças à descoberta de novos materiais e à sua aplicação do que inicialmente eram materiais industriais ao mundo artístico, elementos como a plasticina profissional podem ser utilizados, que são mais fáceis de trabalhar e nos permitem fazer moldes com os quais obteríamos as famosas figuras de resina.

O facto de um material ser mais fácil de “domar” e modelo não está em desacordo com a qualidade do resultado artístico final, cada vez mais e com o apoio da indústria cinematográfica têm aparecido artistas de grande renome, como escultores de primeira linha. Os novos materiais têm a vantagem de serem acessíveis a qualquer pessoa que queira começar a esculpir; já não é necessário trazer para casa um bloco de granito que pesa várias toneladas e começar a esculpir.

Existem quatro tipos de resina, de que falaremos mais tarde, alguns dos quais são bastante diferentes uns dos outros e têm algumas características surpreendentes.

A arte da resina assumiu diferentes formas, desde a produção de objectos resultantes da fundição de um molde, até à mistura com elementos como a madeira ou o metal.

Muitas técnicas permitem obras muito bonitas mas não podem ser consideradas esculturas pois são peças decorativas cuja atracção é a capacidade deste material de solidificar tomando diferentes formas transparentes, tais como as obras que podemos ver em peças de bijutaria, feitas em resina epóxi, pratos para pendurar imitando o mar, mesas ou outras belas criações que são aplicadas na decoração de casas.

A arte em resina assume um número infinito de formas, dependendo da técnica utilizada, do propósito que perseguimos, etc., seria semelhante a falar de “arte cerâmica” que ocupa um belo leque de diferentes opções, desde azulejos decorativos ou objectos domésticos como vasos, até ao que seria propriamente uma escultura em cerâmica.

COMO SÃO FEITAS AS ESTATUETAS DE RESINA

 

As estatuetas em resina podem ser feitas basicamente de duas maneiras: De forma directa ou indirecta.

De forma directa. Vamos usar massa de modelar epoxy para fazer a nossa figura. Dependendo da complexidade e tamanho podemos precisar de construir primeiro uma moldura, sobre a qual começar a modelar, para que a figura tenha força e estabilidade suficientes. Normalmente construímos uma moldura de metal com arame e adicionamos-lhe volume com folha de alumínio para gerar uma forma aproximada do que a nossa figura será. Nesta moldura vamos adicionar a massa epoxídica que a cobre completamente, e vamos adicionar detalhes e texturas até a nossa figura estar terminada.

A massa epóxi tem um tempo de trabalho específico, dependendo do fabricante, e uma vez solidificada pode ser lixada e rectificada. Depois de solidificada, a massa epóxi pode ser lixada e rectificada. Depois de rectificada, podes adicionar mais massa sem qualquer problema. É uma técnica muito versátil e é um processo muito divertido de fazer figuras únicas de resina que depois podes pintar e guardar, uma vez que é um material muito resistente.

A outra forma de fazer as nossas figuras de resina é indirectamente, ou seja, enchendo um molde.

Existem muitos tipos de moldes, de muitos tipos de figuras, e desde que sejam feitos de silicone serão perfeitos para reproduzir as nossas figuras de resina. Podemos comprar muitos tipos de moldes com muitos desenhos navegando na web, ou podemos usar um molde que nós próprios criámos.

Para encher um molde de silicone com resina vamos usar resina líquida. Aquela de que mais gostamos.

O mais comum é usar resina poliuretânica ou acrílica se for uma figura que vamos pintar, ou resina epóxi transparente se quiseres alcançar efeitos translúcidos tingindo-a parcialmente ou misturando-a com outros elementos como brilho, contas de plástico ou qualquer outro pequeno elemento decorativo que possas imaginar. Há muitas possibilidades.

Para que a nossa estatueta de resina saia com a mais alta qualidade possível, é ideal que seja limpa nos procedimentos. O molde deve estar completamente limpo e seco. E temos de seguir os seguintes passos:

Aplica um agente de libertação para facilitar a remoção da figura e para prolongar a vida do molde. Os bolores deterioram-se com o uso, e o agente desmoldante prolonga a sua vida. Não é essencial o uso de agente desmoldante. Embora seja altamente recomendado.

Se a figura tiver muitos detalhes, deita um pouco de resina no molde e distribui-o bem em todos os cantos com uma pequena escova, um palito de dentes ou virando o molde. O objectivo é colocá-la em todos os cantos para copiar todos os detalhes.

TIPOS DE RESINA PARA ESCULTURA

Guia de comparativas

Quando pesquisamos na internet por informação sobre resinas, ficamos frequentemente sobrecarregados com a quantidade de informação técnica disponível.

É possível que estejamos à procura de informação sobre resina para esculturas ou resina para figuras sem sequer sabermos muito bem o que estamos a tentar encontrar, pois o campo da escultura de resina é muito vasto.

Para usar resina como material escultórico, ou melhor, como material para uma oficina de escultura, a primeira coisa sobre a qual precisamos de ser claros é algum conhecimento muito básico.

Como este artigo é dirigido a um público geral, e não especificamente ao sector químico ou industrial, não iremos aprofundar aspectos como a composição química ou as diferenças na estabilidade molecular de cada uma das resinas, mas sim usar uma linguagem um pouco mais simples para uma maior compreensão.

As resinas usadas na escultura são resinas sintéticas. E apenas alguns tipos. O mais básico a saber sobre a resina sintética é que se trata de um polímero artificial. Um “plástico”.

Os 4 tipos de resina mais comuns usados no campo da escultura são: resina de poliéster, resina de poliuretano, resina epóxi, e resina acrílica.

Todas estas resinas têm principalmente aplicações industriais, mas neste artigo vamos limitar-nos ao campo puramente escultórico.

Cada uma destas resinas tem características e aplicações específicas em comparação com as outras. A característica que elas têm em comum é que:

Todas estas resinas consistem em dois componentes, a base e o catalisador, que quando misturados na proporção certa reagem quimicamente, dando origem a um material rígido, resistente, fácil de trabalhar e de pintar, resultando num material muito versátil na nossa oficina de escultura.

A seguir, vamos aprofundar as principais características específicas e singularidades diferenciais de cada uma delas:

Por razões de antiguidade, sentimo-nos obrigados a analisar primeiro a resina de poliéster:

Escultura de fauno da floresta

Escultura de fauno da floresta

Resina de poliéster

 

Foi possivelmente a primeira resina a ganhar um lugar permanente nas prateleiras das oficinas de escultura, sempre acompanhada pela sua fiel e inseparável companheira, a fibra de vidro.

Esta combinação de materiais que agora vamos discutir foi o primeiro material plástico que de alguma forma se posicionou ao lado dos tradicionais materiais escultóricos definitivos, como terracota ou gesso. Pelo menos em grandes esculturas.

Também se tornou indispensável para a criação de conchas ou madreformas na criação de moldes de silicone, e até é usado (embora com limitações) como material para moldes rígidos.

A resina de poliéster tem normalmente a forma de um líquido viscoso com uma consistência semelhante a mel. Tem uma cor bastante transparente com reflexos amarelos ou rosados.

O seu catalisador é o Peróxido de Metiletilcetona ou Peróxido de MEC, que é um líquido muito fluido, completamente transparente.

É misturado de acordo com as proporções do fabricante numa proporção muito específica que requer um peso ou balança de precisão para o misturar correctamente, e a margem de manobra que nos permite se não o misturarmos correctamente é bastante pequena.

AVISO: É muito importante medir bem as quantidades porque podes ficar surpreendido se a mistura não catalisar e permanecer numa consistência pegajosa e gomosa ou se catalisar demasiado depressa e pode até ser bastante perigosa.

Um excesso de catalisador num volume muito grande de resina, se também for exposto a uma temperatura elevada (por exemplo, no Verão), pode levar a uma reacção química bastante violenta.

A reacção destes dois componentes é exotérmica (emite calor) e a mistura pode atingir temperaturas muito altas com o risco de causar queimaduras se tocada sem protecção e pode até explodir e desfazer-se parcial ou totalmente.

A resina de poliéster tem um odor muito forte e característico e por isso é essencial usar equipamento específico de protecção respiratória para manusear produtos tóxicos.

 

Resina de poliéster

 

Depois de termos ficado tão técnicos, vamos avaliar as vantagens e desvantagens, os prós e os contras e as aplicações mais comuns na oficina de escultura.

É um material bastante barato. É provavelmente a mais barata das resinas. Esta é uma das razões pelas quais é tão amplamente utilizada.

Quando se trata de trabalhar, é o material ideal para laminar com fibra de vidro criando superfícies muito finas mas muito resistentes com as vantagens que isto tem em termos de peso e resistência ao impacto, por exemplo. É ideal porque é muito fluido e por isso adapta-se perfeitamente à superfície em que está a ser aplicado, preenchendo todos os cantos e gerando assim uma superfície final (se aplicada correctamente) completamente homogénea, livre de bolhas e na qual até o mais pequeno detalhe foi copiado.

Também tem a vantagem de poder ser “carregada”: pode ser-lhe adicionado um agente de carga. Pode ser misturado com outros materiais para conseguir outros acabamentos. Por exemplo, com pó de bronze ou pó de mármore, entre muitos outros. Esta é a base para a produção de esculturas artificiais de pedra, por exemplo.

O principal inconveniente é a toxicidade.

Como já mencionámos, necessitamos de equipamento de protecção específico, e trabalhamos numa área bem ventilada, etc., por isso não é tão fácil de usar em casa.

Outro inconveniente, embora já tenha sido mencionado, é o cheiro. O cheiro do poliéster é muito forte e muito duradouro. Se fizeres poliéster dentro de uma divisão que não é ventilada, por exemplo, uma divisão de uma casa, o cheiro pode permanecer lá durante vários dias e é bastante desconfortável. É como o cheiro da gasolina ou do silicone da casa de banho, um cheiro poderoso e penetrante, mas neste caso é ainda mais intenso. Tem cuidado com isso.

Por outro lado, há também a questão da fundição (que é o verter do material para o molde). Não é possível fundir uma grande quantidade apenas devido à reacção exotérmica explicada acima. De facto, isto é tanto que são comercializadas resinas especiais de poliéster, especificamente para o vazamento de vários centímetros de espessura. Por isso, não é adequado para encher um molde de tamanho médio numa única gota. Isto é uma desvantagem em comparação com outras resinas.

Resina de poliuretano

 

A resina de poliuretano é a resina mais popular no mundo da reprodução de pequenas figuras nos dias de hoje. Praticamente todas as pequenas figuras que podes comprar no mercado são feitas de resina de poliuretano. Em lojas de lembranças em museus, ímanes de frigorífico, etc.

Esta resina é normalmente comercializada na forma líquida e consiste em dois componentes. A e B. Um é o poliol e o outro o isocianato. Um é a base e o outro o catalisador. Os componentes têm uma cor semi-transparente com tons laranja no estado líquido e, quando catalisado, a mistura final endurecida tem uma cor amarela clara.

Esta resina tem muitas vantagens:

Mistura-se muito facilmente. Geralmente (embora existam excepções) a proporção de mistura é 1:1, ou seja, a mesma quantidade de base que o catalisador. E com uma escala doméstica pode ser medida com muita facilidade e precisão.

Outra vantagem é a viscosidade. É uma resina muito fluida, que lhe permite alcançar todos os cantos do molde e copiar todos os detalhes na perfeição. Além disso, como é tão fluida, se for cuidadosamente vertida sobre o molde, não deixa bolhas e as reproduções são perfeitas.

Escultura de parede Gomathi

Escultura “Gomathi” em resina de poliuretano, pintada à mão.

O tempo de cura é também uma grande vantagem. Enquanto a resina de poliéster ou resina epóxi demora horas a curar, esta demora minutos. Esta é uma das principais razões pelas quais é tão utilizada em todo o mundo.

A desvantagem é o preço. É significativamente mais cara do que o poliéster.

É a resina ideal para usar em moldes de uma só peça que queres encher fundindo.

Outra vantagem da resina de poliuretano é que, uma vez solidificada, pode ser maquinada muito facilmente. Pode ser lixada facilmente e preparada para a pintura.

Resina epoxídica

 

Não vamos dizer muito mais aqui pois esta resina tem muitas semelhanças com a resina de poliéster. Poderíamos dizer que é a sua irmã.

Aplica-se o mesmo, comporta-se da mesma maneira, tem a mesma resistência, etc. Existem apenas duas diferenças fundamentais.

Não cheira, ou melhor, cheira significativamente menos que resina de poliéster (não estamos a dizer que não é tóxico, tens de usar uma máscara com filtro de qualquer forma). É mais cara por esta razão.

Escultura resina pintada

Escultura “Ice Princess” em resina acrílica, pintada à mão.

Resina acrílica

 

A resina acrílica está no mercado há pouco tempo, e tem sido um avanço na oficina de escultura. Está a tornar-se cada vez mais popular entre os escultores, por várias razões importantes.

É muito fácil de usar. Normalmente vem em pó + líquido ou apenas em pó (para misturar com água). É facilmente misturado seguindo as proporções do fabricante, adicionando sempre o pó ao líquido. Normalmente vem em branco e pode ser tingido como todas as resinas.

Tem um tempo de trabalho mais longo que a resina de poliuretano, ou seja, podes fazer mais sem medo de catalisar no pote antes de encheres os moldes das figuras. Embora seja um tempo bastante curto. Depende do fabricante, mas em cerca de 30 minutos podemos tirar a peça do molde.

Também pode ser aplicado com pincel e misturado com fibra de vidro para fazer esculturas grandes e/ou caixas de moldes.

O acabamento de superfície é muito bom.

É duro de usar e fácil de lixar uma vez seco. É um pouco porosa, por isso pode ser pintada directamente.

E o mais importante. É atóxico. É inodoro e amigo do ambiente e os utensílios podem ser facilmente lavados com água. É ideal para trabalhar em casa.

No entanto, não é o mais barato de todos, embora ultimamente, devido à elevada aceitação e utilização no sector, os preços tenham descido e existam algumas marcas com preços muito competitivos.

Bem, até este ponto fizemos um tour completo pelas maravilhas das figuras de resina, que são arte escultórica usando os novos materiais actuais.

Falámos sobre este material em geral, mostrámos-te parte da nossa galeria, explicámos todo o processo de pintura, os tipos de resina, etc.

Esperamos ter esclarecido quaisquer dúvidas e, para aqueles que não estavam familiarizados com este tipo de escultura, esperamos ter descoberto um mundo que confiamos que vais achar tão fascinante como nós.

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Ficaremos felizes se gostaste deste post e o achaste útil. Por favor ajuda-nos partilhando-o nas redes sociais! ♥

Facebook

Twitter

Tumblr

Pinterest

Para a escrita deste artigo tivemos a sorte de ter o escultor Javier Romero Abrio.

Licenciado em Belas Artes, especializado em Escultura em 2009 pela Universidade de Sevilha, durante os últimos 10 anos produziu trabalhos numa vasta gama de formatos, materiais e técnicas.

Javier, um amante dos procedimentos técnicos e da multidisciplinaridade, é o autor das magníficas obras mostradas nas imagens.

ESCREVA-NOS

 

Pergunta-nos o que precisas.
Teremos todo o prazer em ajudar-te com as tuas perguntas ou ouvir as tuas ideias.

(Excepto para responderes à tua consulta, NÃO utilizaremos o teu endereço de e-mail para comunicações de marketing).

10 + 2 =

Pode também escrever-nos pela Whatsapp:

Aqui estão algumas das perguntas mais frequentes, como resumo:

Que tipos de resina existem?

Os quatro tipos de resina mais comuns usados para fazer figuras são: Resina de poliéster, resina de poliuretano, resina epóxi, e resina acrílica. A primeira era a mais antiga. A acrílica é a mais usada e tem mais vantagens do que a maioria.

Como fazer figuras de resina?

As figuras em resina podem ser feitas de duas maneiras: Directamente (criando a figura do zero, por exemplo, numa moldura e usando epoxy) ou indirectamente, que é através do preenchimento de um molde.

Como são pintadas as figuras de resina?

Primeira dica: Escolhe os materiais certos para o teu projecto.
Por vezes pode ser necessária uma primeira camada de “primário”.
Depois, planifica a ordem dos casacos seguintes, as cores e com o que os aplicar é fundamental, tendo também em conta os tempos de secagem.
A iluminação é importante para um bom acabamento.
No guia irás encontrar toda a informação e conselhos necessários.

Como são coladas as figuras?

Para colar um trabalho partido ou para ser montado, as superfícies a unir devem ser primeiro preparadas para que encaixem perfeitamente.
Depois podes usar, por exemplo, uma cola epoxídica, ou cianoacrilato para obter detalhes.
Se forem peças grandes podes usar fios para as fazer segurar melhor.
Vê o guia para a forma mais apropriada de o fazer.